PROCESSO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL DA UFRJ  - 2014

Escola de Enfermagem Anna Nery -EEAN

Hospital Universitário Clementino Fraga Filho - HUCFF

Hospital Escola São Francisco de Assis - HESFA

Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira - IPPMG

Maternidade Escola - ME

 

 

RESULTADO FINAL ENFERMAGEM IPPMG; MATERNIDADE ESCOLA, ENFERMAGEM OBSTETRICA;HESFA

(SAUDE DA MULHER; SAUDE DA FAMILIA ECOMUNIDADE) 

CONFIRA A RELAÇÃO NA COLUNA A ESQUERDA

 

 

CONFIRA A RELAÇÃO DE APROVADOS DO HUCFF E DO IPPMG (FARMACIA, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO, PSICOLOGIA E SERVIÇO SOCIAL) E DOS APTOS PARA A SEGUNDA ETAPA – HESFA, MATERNIDADE ESCOLA, ENFERMAGEM DO IPPMG E ENFERMAGEM OBSTÉTRICA DA EEAN

Acesse a coluna à esquerda

 

 
RESULTADO DO JULGAMENTO DOS RECURSOS DA PROVA OBJETIVA

QUESTÃO 01 – SUS - INDEFERIDO

A candidata informa que o gabarito está errado, pois está em consonância com o texto do Caderno HumanizaSUS:

Parâmetros para acompanhamento da implementação

Na Atenção Básica

- Elaboração de projetos de saúde individuais e coletivos para usuários e sua rede social, considerando as políticas intersetoriais e as necessidades de saúde;

- Incentivo às práticas promocionais da saúde;

- Formas de acolhimento e inclusão do usuário que promovam a otimização dos serviços, o fim das filas, a hierarquização de riscos e o acesso aos demais níveis do sistema efetivada

Na verdade, o texto do documento chama a atenção para formas de acolhimento e INCLUSÃO DO USUÁRIO. O gabarito está correto uma vez que falta informação e a questão pede para assinalar a alternativa INCORRETA.

QUESTÃO 05 – SUS - INDEFERIDO

O enunciado permite que o candidato compreenda exatamente o que se quer perguntar de modo claro e objetivo. As alternativas não apresentam armadilhas intencionais e a opção correta explicita conteúdo válido considerando a referencia que dá suporte a pergunta.

QUESTÃO 12– SUS - INDEFERIDO

A questão se refere a prioridade ACRESCENTADA ao Pacto pela Vida. A candidata argumenta informando que a referida portaria não consta na bibliografia do concurso e ainda informa que considerando a bibliografia BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Coordenação de Apoio à Gestão Descentralizada. Diretrizes operacionais para os pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Coordenação de Apoio à Gestão Descentralizada – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006 todas as alternativas estariam corretas. Trata-se de prioridade que não constava, logo se o candidato conhecer a proposta original saberá o que foi acrescentado. Outra candidata informa que não consta a saúde do homem na referida portaria. Tal item está no artigo 1º, XI.

QUESTÃO 38– FARMÁCIA – QUESTÃO ANULADA

Tendo em vista que todas as alternativas apresentadas como respostas para a questão 38 são incorretas, indica-se o deferimento do recurso apresentado.

QUESTÃO 42– FARMÁCIA – INDEFERIDO

A DDD (Dose Diária Definida) é uma unidade técnica de medida, desenvolvida exclusivamente para Estudos de Utilização de Medicamentos, sendo útil apenas para estimativas de consumo e utilização de medicamentos, por meio de registros de vendas e/ou prescrições, inclusive em hospitais.

A questão 42 tem como referência MARIN, NELLY [org]. Assistência Farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003. Capitulo 10, pág. 293.

Segue a transcrição do trecho correspondente (grifos nossos) que compõe o Quadro 4 - Vantagens e limitações do emprego da DDD em estudos de utilização de medicamentos:

“Vantagens:

Permite fazer comparações entre um período e outro dentro de um mesmo país sem que os resultados sejam afetados por mudanças de preço ou de apresentações

Permite fazer comparações internacionais, sem que os resultados sejam afetados por diferenças de preços ou apresentações

Oferece uma estimativa sobre a proporção da população tratada

Limitações da DDD:

Frequentemente existe uma ampla variabilidade interindividual na dose prescrita e/ou tomada

Às vezes um mesmo fármaco tem mais de uma indicação com doses diferentes em cada uma

Nem todos os fármacos vendidos são consumidos (essa limitação se aplica quando os dados são de vendas, e não de consumo)

Não equivale necessariamente à dose média prescrita

Não equivale necessariamente à dose média ingerida

Às vezes o denominador não é necessariamente toda a população

Em comparações internacionais, é preciso considerar a estrutura da população dos países comparados

Em geral, salvo exceções (fármacos utilizados de maneira contínua, como contraceptivos, insulina etc.), indica o número médio de pacientes tratados em um dia

Não é possível estimar prevalência de enfermidades com o emprego da DDD

É pouco útil para expressar o consumo de medicamentos quando as combinações em doses fixas de dois ou mais princípios ativos constituem uma parte importante do consumo"

O texto da outra fonte mencionada pela aluna não afirma que a DDD permite estimar a prevalência de doenças. No texto do parágrafo, as autoras se referem à utilidade da DDD para estabelecer comparações populacionais e temporais de vendas e prescrições e que, por isso, permitiriam estimar indiretamente diferenças na prevalência de doenças e fatores de risco, por meio das diferenças observadas nas vendas e prescrições dos medicamentos entre diferentes áreas e através do tempo. O trecho na íntegra diz, em relação à DDD que:

"A metodologia é adequada, esclarece Merlo; Wessling; Melander (1996), para comparações de vendas e prescrições, não somente entre áreas, mas através do tempo. Por exemplo, as DDD por 1000 habitantes por dia têm sido usadas para demonstrar diferenças nacionais e internacionais na utilização de antibióticos, antidiabéticos, medicamentos com ação cardiovascular e psicotróopicos. Ela tem sido relacionada a diferenças na prevalência das doenças e fatores de risco e serve como indicador do uso excessivo de agentes hipnóticos, ansiolíticos, conduzindo a medidas efetivas contra esse uso e suas consequências."

Assim sendo, sou de parecer pelo indeferimento do recurso.

QUESTÃO 50 – PSICOLOGIA – INDEFERIDO

A referida questão cita “apresenta um comportamento arredio, manifestando desejo de afastamento da família.” E ainda “ Pede para ficar sozinho, chegando a ser ríspido com os visitantes.”

Ou seja, arredio associando ao comportamento de afastamento da família e ficar sozinho associado ao comportamento de chegando a ser ríspido com visitantes.

Esse comportamento é totalmente característico do estágio de Aceitação, onde a autora descreve :

“E deseja que o deixem só, ou, pelo menos, que não o perturbem com noticias e problemas do mundo exterior. Os visitantes quase sempre são indesejados e o paciente já não sente mais vontade de conversar com eles. Geralmente pede que seja limitado o número de pessoas de pessoas e prefere visitas curtas.( Kubler – Ross E. ;p. 118)”

Já o estágio da Raiva se carecteriza por sentimentos intensos, que nada caracterizam o “arredio” ou o ‘recolhimento”. São sentimentos bastante “ruidosos” que contrastam amplamente com a terminologia utilizada na questão de “arredio” e querer “ficar sozinho”, do estágio de Aceitação.

A respeito do estagio de raiva diz Kubler Ross:

“ (..) ele é substituído por sentimentos de raiva, de revolta, de inveja e de ressentimento. “(...) Deve-se ao fato desta raiva se propagar em todas as direções e projetar-se no ambiente, muitas vezes sem razão plausível. (...) as enfermeiras são alvo constante da raiva dos pacientes. Tudo o que pegam, pegam errado; assim que deixam o quarto, a campainha toca de novo; nem bem se sentam para fazer o relatório para o pessoa do turno seguinte, já se acende a luz de chamada; quando vão arrumar a cama e fofar os travesseiros são acossado de jamais deixa-los em paz. Kubler – Ross E. ;p. 56)”

Cabe ainda acrescentar que o livro que fundamenta a referida questão,

O mesmo citado acima para explicitar o indeferimento dos recursos, consta na Bibliografia divulgada, além de se tratar do livro, indiscutivelmente, de referência mundial do tema em questão. CONCLUSÃO: INDEFERIMENTO DOS DOIS RECURSOS APRESENTADOS

 
GABARITO FINAL - PROVA OBJETIVA

 

GABARITO FINAL: ENFERMAGEM, FISIOTERAPIA, FONOAUDIOLOGIA, NUTRIÇÃO, ODONTOLOGIA, PSICOLOGIA, SERVIÇO SOCIAL

01=B

11=A

21=A

31=B

41=A

02=C

12=B

22=D

32=D

42=A

03=A

13=A

23=A

33=C

43=D

04=C

14=C

24=A

34=B

44=B

05=C

15=D

25=C

35=D

45=A

06=B

16=C

26=B

36=C

46=C

07=D

17=A

27=B

37=D

47=B

08=A

18=C

28=B

38=A

48=A

09=D

19=D

29=B

39=D

49=D

10=D

20=B

30=C

40=C

50=C

 

GABARITO FINAL: FARMÁCIA

01=B

11=A

21=A

31=B

41=A

02=C

12=B

22=D

32=D

42=A

03=A

13=A

23=A

33=C

43=D

04=C

14=C

24=A

34=B

44=B

05=C

15=D

25=C

35=D

45=A

06=B

16=C

26=B

36=C

46=C

07=D

17=A

27=B

37=D

47=B

08=A

18=C

28=B

38=ANULADA

48=A

09=D

19=D

29=B

39=D

49=D

10=D

20=B

30=C

40=C

50=C

 
.

 

ATENÇÃO 

 

  ALTERAÇÕES NO EDITAL  

 

 

A comissão de seleção informa que o Edital sofreu alterações nos itens: 

 2; 2.3; 3.2; 3.2.3.4; 3.3; 3.6.4.;  3.6.5.; 3.7.10

 

 

EMENTAS E ADENDOS DISPONÍVEIS NA COLUNA À ESQUERDA

 

 

 
.

DIVULGADA A RELAÇÃO CANDIDATO VAGA.

PARA CONSULTAR CLIQUE NA COLUNA À ESQUERDA

 

 
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Hospedado no Núcleo de Computação Eletrônica
Joomla extensions by Siteground Hosting